Jornal 'New York Times' denuncia ataques de hackers chineses

Ataques começaram depois da publicação em 25 de outubro.
Governo da China afirmou que as acusações ‘não têm fundamento’.

Post do portal de tecnologia do G1. Clique para ler o original

Hackers chineses invadiram o sistema do jornal “The New York Times” nos últimos quatro meses, informou o jornal americano.

Os ataques começaram depois da publicação, em 25 de outubro, de um artigo sobre a fortuna da família do primeiro-ministro Wen Jiabao. Assim, analistas sugerem que o governo chinês está por trás das ações.

O jornal afirma que conseguiu evitar novas invasões com a ajuda de especialistas.

“Os hackers chineses utilizaram métodos que foram associados pelos consultores com os que eram usados no passado pelo exército chinês para entrar na rede do Times”, destacou o jornal, que citou indícios detectados por analistas de segurança.

O governo da China não demorou a responder e afirmou que as acusações “não têm fundamento”.

“As autoridades competentes chinesas deram uma resposta clara às acusações sem fundamento feitas pelo The New York Times”, disse o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Hong Lei.

Segundo o NYT, os hackers entraram nas contas de e-mail do chefe do escritório de Xangai, David Barboza, autor da reportagem sobre a fortuna dos parentes de Wen Jiabao, e do ex-chefe do escritório em Pequi Jim Yardley que atualmente é o editor do jornal para o sudeste asiático, com base na Índia.

“Poderiam ter feito estragos em nossos sistemas”, declarou o diretor de comunicação Marc Frons.

Segundo o NYT, os principais alvos eram as mensagens eletrônicas de David Barboza. “Parece que buscavam os nomes das pessoas que forneceram informações a Barboza”, informou.

O jornal pediu à AT&T que vigie sua rede, em particular atividades pouco comuns depois que fontes do governo chinês afirmaram que a reportagem sobre a riqueza dos parentes Wen Jiabao teria ‘consequências’.

FBI foi informado sobre os ataques. O NYT recorreu à empresa de segurança virtual Mandiant em 7 novembro, quando os ataques começaram a ser repetidos.

“Caso cada ataque seja examinado por separado, é possível dizer ‘é o exército chinês'”, declarou o diretor de segurança da Mandiant, Richard Bejtlich.

O ministro chinês da Defesa rejeitou qualquer vínculo entre os atos e o governo. Também disse que as acusações “não têm nada profissional nem têm fundamento”.

 

Como está a Segurança Digital da sua empresa?

Converse com nossos especialistas.