iBLISS na Revista Gestão & Negócios

Revista Gestão & Negócios
Edição 43, maio de 2012, p.74 a 78
Compre esta edição

Tecnologia > Ataques Virtuais
Texto de Érika Marinho

ALERTA VERMELHO

O número de incidentes relativos à segurança da informação em empresas e instituições brasileiras cresce a passos largos. Especialistas alertam para o problema e apresentam algumas sugestões para evitar os ataques cibernéticos

 

Em fevereiro, as mais importantes instituições financeiras do Brasil foram alvo de ataques em seus sistemas de  informação. O grupo hacktivista Anonymus impediu o funcionamento de sites bancários, em uma operação chamada “#OpWeeksPayment” ou “Operação semana de pagamento”. Segundo informações divulgadas pelo próprio grupo, a ação seria um protesto contra a corrupção no País. A estratégia? Nada menos que atacar pelo menos um site de banco por dia, deixando inoperante o serviço de internet banking por 12 horas.

De acordo com dados do Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br) de janeiro a setembro de 2011 foram reportados 318.720 incidentes relativos à segurança de informações e dados no Brasil. Em 2006, o total já era de 197.892. No ano de 1999, foram reportados 3.107 incidentes.

O sócio-consultor da iBLISS, empresa especializada em Segurança de TI, Leonardo Cavallari Militelli, salienta que os chamados ciberataques acontecem há mais de 15 anos. O que mudou foi a diversidade da superfície de ataque, ou seja, os tipos de alvos e o impacto que esses podem causar.

Antes, as empresas tinham um site institucional, hoje, para a mesma empresa, os sistemas críticos estão apoiados em um ambiente computacional e também expostos à internet. O que na prática abre uma janela de oportunidades para os atacantes e invasores de plantão. Ele se recorda do caso da PlayStation Network (PSN), em que uma sequência de falhas fez com que o ambiente de jogos on-line ficasse indisponível por mais de 1 mês.

Militelli explica que o ciberataque é uma forma de atingir um determinado alvo ou objetivo, utilizando a internet, os meios digitais e eletrônicos. Em virtude da tecnologia presente em todos os aspectos da vida da sociedade, foram criadas inúmeras formas de realizá-los.

Tudo depende do objetivo que se quer alcançar e da tecnologia que está presente no ambiente alvo dos ataques. Praticamente, tudo o que esteja conectado em uma rede de computadores, ou faça uso de uma, pode ser considerado um alvo. “Primeiro, cabe uma diferenciação entre os termos. Por definição, hacker é uma pessoa aficionada por conhecimento, ama entender como as coisas funcionam e como podem ser modificadas. Já o cracker é o hacker com más intenções. Os objetivos dos crackers/hackers são
diversos, tudo depende do fator motivador”, considera.

EFEITOS

Militelli acredita que, no caso de uma terceira grande guerra mundial, provavelmente será uma guerra tecnológica. E os ataques serão nos sistemas de infraestrutura básicos como sistemas de energia, abastecimento de água dos países, entre outros.

Os elementos motivadores dessas ações podem ser desde o de roubar o cadastro de clientes de uma empresa, afetar a reputação de uma marca, até a de questões políticas, religiosas e ideais, ou, ainda, de um funcionário mal-intencionado, que além de poder ter sentimentos como a desconfiança e necessidade de auto-afirmação pode, simplesmente, ter curiosidade de saber: será que eu consigo fazer isso?

CONSCIENTIZAÇÃO

O sócio-consultor ressalta que nos últimos três anos as empresas brasileiras estão se conscientizando sobre a importância da segurança da informação e tecnologia. Atualmente, as corporações, independente do porte, já possuem sistemas de gestão e controle, ERPs, CRMs, expostos à internet.

Contudo, não existe a preocupação se esses sistemas estão protegidos quanto ao acesso não-autorizado e outras ameaças. Os gestores ainda enxergam a segurança de tecnologia como um custo e só entendem a importância quando algum problema já ocorreu. Às vezes, pode ser tarde demais, pois o estrago já foi feito. “Em contrapartida, as ondas de ataques realizados pelo Anonymous e outros grupos em 2011 acabam por sensibilizar as pessoas e empresas. Além disso, algumas regulamentações como SOX, para empresas com operações financeiras no exterior, e o padrão PCI para empresas que manipulam informações de cartões de crédito, obrigam as empresas a adequarem a segurança de seu ambiente tecnológico”, assegura.

Segundo ele, o investimento reativo acaba por se tornar mais caro, porque na ocorrência de um incidente, além dos impactos técnicos, a exemplo, indisponibilidade de um ambiente ou remoção de um vírus, tais eventos podem impactar os negócios, como o vazamento de projetos confidenciais ou não possibilidade de operar.

[…] Compre esta edição da Revista Gestão & Negócios para ler a matéria na íntegra

Como está a Segurança Digital da sua empresa?

Converse com nossos especialistas.